Avançar para o conteúdo principal

Crítica Cinema "Valerian e a cidade dos Mil Planetas" de Luc Besson

“Valerian e a Cidade dos Mil Planetas” é Um delicioso Mundo novo ou não chegasse pela magistral mão do seu realizador.  Escrito e dirigido por Luc Besson é baseado na novela gráfica “Valerian e Laureline” publicada pela primeira vez em 1967. Mas este mundo não seria possível sem a equipa de colaboradores e produção que o tem acompanhado sempre ao longo da sua carreira.

A curiosidade do nome “…a cidade dos mil planetas” acaba por ser explicada nos primeiros minutos do filme. A partir de uma simples cápsula espacial em órbita à volta do nosso planeta vão-se juntando outras, humanas e extraterrestres, criando um fantástico mundo novo. Uma Metrópolis intergaláctica que abrangerá os mais recônditos locais do vasto espaço.

Achei fascinante o facto de não ser utilizado um cataclismo como a destruição do planeta Terra para dar continuidade à estória, pelo contrário ao afastar a “…cidade dos mil planetas” da sua órbita está a proteger a sua continuidade.

A acção começa em 2010, e em poucos minutos somos transportados para o ano de 2740. Aqui, conhecemos o Major Valerian (Dane DeHaan), agente governamental em ascensão na hierarquia da armada humana, conhecido pela sua coragem e determinação. E a Sargento Laureline (Cara Delevigne), determinada, mas acima de tudo esperançosa em encontrar o verdadeiro amor e casar-se. Recebem ordens para se dirigirem ao deserto planeta Kirian onde deverão infiltrar-se no enorme mercado extradimensional ajudados por tropas especiais onde têm como objectivo recuperar o último conversor Mül e devolvê-lo posteriormente ao centro de comando Alpha.

A partir deste momento partimos numa aventura intergaláctica, repleta de extraordinários seres, de locais de cortar a respiração (Mül – o paraíso trágico, Kirian – o planeta deserto com o seu grande mercado, Pooulong – parque aquático, Galana, Paradise Alley e ainda a Estação Espacial Alpha), diferentes dimensões, tudo complementado com a nossa própria realidade: turismo, consumismo, grandes mercados, mortes, destruição, encobrimento, poder.

Um filme que tem tanto de estranho como de maravilhoso, poderá ser considerado um fantástico filme de Verão, mas certamente num futuro próximo num clássico de culto, cujas criaturas ficarão para sempre no nosso imaginário. No meu ficarão certamente Igon Siruss e os Doghan Daguis, estes últimos um fantástico trio que vende informações a troco de recompensas com a particularidade de que se um deles for morto a informação ficará para sempre incompleta.

Este filme conta ainda com participações tão dispares e memoráveis como a de Rutger Hauer (Presidente da Federação Mundial), John Goodman (que dá a sua voz a Igon Siruss), Clive Owen (Comandante Arun Filitt), Ethan Hawke (Jolly the Pimp), Kris Wu (Sargento Reza) e Rihanna (Buble) esta última na sua primeira estreia num filme deste género.

in Jornal Nova Gazeta, 26 Julho 2017


Comentários

Mensagens populares deste blogue

À conversa com o escritor Robert Service

O que nos leva a ler um livro com o título: “O último dos Czares, Nicolau II e a Revolução Russa” cem anos após o seu acontecimento? Será o mistério que ainda hoje existe à volta da família Romanov? O aparecimento de Putin como um novo imperador que tenta reunificar esta nova Rússia? Para sabermos as respostas a todas estas questões fomos falar com o autor.


Robert John Service é um historiador e autor britânico que tem escrito extensivamente sobre a história da União Soviética, particularmente desde o período da Revolução de Outubro à morte de Stalin. Actualmente é professor de história da Rússia na Universidade de Oxford. Como autor, é conhecido por ter escrito as biografias de Vladimir Lenin, Josef Stalin e Leon Trotsky.
Sendo eu uma curiosa pela história mundial, os mistérios escondidos em documentos antigos e tendo uma forte ligação familiar à Rússia tive o privilégio de falar com o autor para tentar perceber um pouco melhor o que o leva a sentir esta mesma atração. Porquê Nicolau II…

De casinha a casa, ou o pretensiosismo a roçar a porcaria.

Uma casa antiga tem alma. A alma das pessoas que lá viveram, que por lá passaram e que de alguma forma deixara o seu cunho. Foi por todos esses motivos que me senti tão atraída pela minha nova casa.
Soube desde o primeiro dia que necessitava de obras. Mas esse era o maior atractivo nela. Quem me conhece sabe que não gosto de casas modernas, com aspiração central, com piscina olímpica ou até mesmo sistema de segurança ultrassofisticado. Para mim todos esses aspectos são colmatados com a vassoura, um pequeno lago, cães e gatos (muitos de preferência).
Gosto do que é rústico, acho graça a um muro a necessitar de uma pintura, árvores para serem podadas, erva para ser cortada, a simples ideia de ter o meu próprio poço com uma nascente natural dá-me um novo ânimo pois tudo isto faz parte das alegrias de colocarmos o nosso próprio cunho naquilo que é nosso e sermos recompensados.
A pior parte é quando começamos a conhecer os anteriores proprietários pelo que vamos encontrando espalhado pelo te…

"Crónicas de Nunes, um asno - A Tropa"

“Esta é uma obra de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, factos ou situações da vida real terá sido mera coincidência”
* “Cabo é rabo, rabo é cú, cú é merda e merda és tu” e foi ao som da melodiosa música acompanhada pela banda do seu aquartelamento que Nunes ficou a conhecer a sua posição na hierarquia militar a partir daquele dia.
A verdade é que o coitado que estava habituado a fazer um pouco de nada foi obrigado a uma dolorosa recruta em Tancos e de nada lhe valia chorar, porque a partir daquele momento não teria o paizinho para o aconselhar. Até uma ingreme ladeira de casquilho foi obrigado a subir e descer numa noite de trovoada e frio escusado será dizer que no dia seguinte tiveram que furar as unhas dos pés do menino com um alfinete em brasa para que o sangue pisado pudesse sair. Mais tarde caiam-lhe todas as unhas. Verdade seja dita que o rapaz tinha umas unhas tão horríveis que o que lhe aconteceu naquele dia melhorou consideravelmente a visão daqueles pés.
Infelizme…